Social Icons

https://twitter.com/blogoinformantefacebookhttps://plus.google.com/103661639773939601688rss feedemail

quarta-feira, 26 de junho de 2013

Japão pode desenvolver mísseis balístico para defender a soberania das Ilhas Senkaku (Diaoyu)

O Ministério da Defesa do Japão está considerando projetar seus próprios mísseis balísticos para se precaver de um eventual invasão chinesa nas Ilhas Senkaku (Diaoyu), cuja a soberania é disputada pelos os dois países.

Se trata de mísseis com alcance de 400 e 500km, uma distância que poderia ser percorrida em 5 minutos, segundo a impresa chinesa.

Os mísseis seriam instalados na Ilha de Okinawa, ao sul do Japão. Desta maneira, Tóquia poderia previnir a invasão do pequeno arquipélogo em disputa. Se aprovado o plano detalhado do projeto, os engenheiros japoneses poderia começar a projetar os mísseis já em 2014.

Em anos anteriores, responsáveis ​​pela defesa do Japão também planejaram a possibilidade de construir os seus próprios mísseis balísticos de longo alcance, mas o projeto não foi realizado porque os peritos consideraram que isso iria contradizer Constituição pacifista de 1947. O problema é que o artigo 9 da Constituição japonesa, que proíbe atos de guerra pelo governo, embora o Japão mantém de facto forças armadas, conhecidas como Forças de Auto-Defesa.

Japão e China disputam a soberania sobre as ilhas Senkaku, chamadas de Diaoyu em chinês, desde a década de 1970. Tóquio insiste que se apropriou das ilhas em 1895 e antes elas não pertencia a ninguém, mas Pequim afirma que esses territórios eram da China há mais de 600 anos.

Após a Segunda Guerra Mundial, EUA controlaram  as ilhas Senkaku até 1972, ano esse que passou o controle destas ilhas e de Okinawa ao Japão.

Nos últimos anos, as ilhas eram de propriedade privada, mas em 2012 o governo japonês comprou e anunciou a sua nacionalização, que iniciou uma nova escalada das tensões entre Tóquio e Pequim.

7 comentários:

  1. Qual a diferença entre as forças de autodefesa do japão e forças armadas normais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só poderiam atacar depois de um movimento inimigo.

      Excluir
    2. Michel, a nossa constituição diz algo parecido, não?

      Excluir
  2. Sinceramente eu ñ acredito em nada de Japão enquanto tiverem ocupados; são tantos os tratados c/os EUA que o interesse americano na Ásia fala mais alto e pronto está acabado.

    ResponderExcluir
  3. Atualmente, em uma guerra aberta entre China e Japão, quem a venceria?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Japão tem armas estratégicas (dissuasão), não? Então como faria frente a China que as têm?

      Excluir