Social Icons

https://twitter.com/blogoinformantefacebookhttps://plus.google.com/103661639773939601688rss feedemail

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Neonazistas agora "defendem" o parlamento ucraniano

Acima o símbolo da “Divisão Galícia”
Pessoal, escreverei algumas linhas sobre a situação atual da Ucrânia e no fim delas vocês poderão comprovar o que eu escrevi assistindo um vídeo.
No centro de Kiev não há nenhum policial. As entradas para o Parlamento Ucraniano (Verkhovna Rada) está “protegido” por uma nova polícia, uma polícia ilegal, criada pelo partido neonazista ucraniano Svoboda. Homens de negro vigiam o perímetro, e carregam consigo o símbolo da 14ª Divisão de Granadeiros da SS (14. SS-Freiwilligen Division "Galizien") – uma unidade de elite da polícia de Hitler constituída em sua maioria de voluntários ucranianos. Segundo um extremistas, um grupo invadiu uma instalação do Berkut de usurparam o veículo blindado, ônibus, armas e munições. Ele diz também que a intenção é defender os seus interesses com essas armas.

Há bandeiras do Svoboda por todos os lados fora do prédio do parlamento ucraniano. O curioso é que não há bandeiras de outros partidos. E também causa estranheza que não nenhum “cidadão comum“ em frente ao parlamento, somente militantes do Svoboda. Há também um veículo militar com uma bandeira que eu não consegui identificar e um monte de capangas em cima do mesmo enfrente ao parlamento.

Anarquistas utilizando uniformes camuflados também se fazem presente nas cercanias do parlamento. Eles preparam barricadas e coquetéis molotov, mas parecem que respeitam as ordens do Svoboda. Agora, na ausência do poder constituído, eles fazem o que bem entender.

Eles esperam um por um sujeito. Sem ele a sessão no parlamento não começa. Ele chega, vestindo um uniforme negro, com listas amarelas na manga. Carrega consigo o símbolo do leão, o símbolo da “Divisão Galícia”. O mesmo símbolo presente em uma bandeira hasteada em uma base permanente.

A principal questão na agenda do parlamento russo é a formação do novo governo, mas alguns deputados começam a gritar para debaterem a questão da Crimeia. Os representantes dessa região na Ucrânia não são ouvidos, ali ninguém se preocupa com a Crimeia.

Os neonazistas sobem na bancada e dizem que se preocupam com as minorias. No entanto, eles esquecem que um dos primeiros decretos do parlamento depois que Viktor Yanukovych foi deposto, foi o de revogação a lei do uso ampliado de línguas minoritárias. Tal atitude gerou severas criticas dos governos Bulgária, Hungria e Romênia. Convenhamos, a Ucrânia com tantos problemas sociais e em sua economia, os neonazistas vão se preocupar junto com as línguas das minorias?

A maioria dos deputados decidem por formar um novo governo. Mas temos que reflexionar que toda votação no parlamento ucraniano acontece debaixo de muito terror por parte dos neonazistas e nacionalistas.

Agora, os cargos políticos são preenchidos de acordo com o interesse dos nazifascistas. Se o povo ucraniano queria mudanças (duvido que queria), agora ele tem. No entanto, o alto escalão do governo ucraniano, não foi decidido pelo povo. Há que se destacar que agora o Conselho de Segurança Nacional e Defesa da Ucrânia é dirigido por Andriy Volodymyrovych Parubiy, ele foi o “comandante do Euromaidan);  O vice Parubiy é ninguém menos que o líder do partido Setor Direito, Andrew Yarosh. Em suma, a estrutura do poder é preenchida por caudilhos nacionalistas.

5 comentários:

  1. Assim como a Al Qaeda luta na Síria contra o governo Assad, atendendo interesses dos americanos, neonazistas acabam defendendo interesses da UE. Parece que a intenção das potências ocidentais é cooptar ou ao menos desestabilizar toda nação aliada aos russos.
    A brecha para desestabilizar tais nações tem sido explorar as diferenças étnicas e religiosas, porém nosso país está sendo atacado por forças externas interessadas em desestabilizar-nos também. Não precisa que a maioria da população defenda a queda de um governo, mas uma minoria raivosa que intimide e os holofotes da mídia. O movimento# nãovaitercopa mesmo é um ato terrorista que só busca o caos, porque visa criar um clima de insegurança para os turistas estrangeiros e mesmo brasileiros que queiram assistir aos jogos, levando o envento ao fracasso. Outra coisa que me chama a atenção, no Youtube, todo vídeo que é usado para atacar o governo tem contido muitos posts depreciativos em inglês.
    Enfim, basta assistir o documentário: "O dia que durou 21 anos" para termos uma ideia de como órgãos internacionais promovem "protestos populares".

    ResponderExcluir
  2. Trocaram um presidente corrupto por essas figuras ai..será que n tem ninguém decente lá na Ucrânia, parece o Brasil...heheheh

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vamos tratar o tema com seriedade. Não nada engraçado.

      Excluir
  3. Max Moço, vc falou muitas verdades, mais em uma coisa vc exagerou, sobre o movimento não vai ter copa (não estou defendendo esse movimento, porque ele é feito por um bando de ignorantes quanto a realidade), porque o que mais tem em uma copa do mundo, são investidores estrangeiros, eles querem estabilidade, se tiverem tramando algo contra o Brasil para um futuro próximo algo que ninguém tem como dizer que sim nem que não, não será com certeza absoluta na copa do mundo, já se estamos falando de um evento arqui-bilionário, existe uma diferença entre criar caos agora na Ucrânia, na Venezuela e criar no Brasil agora, pelo menos até ás olimpíadas de 2016 é muito pouco provável que alguém venha financiar o caos aqui. Uma coisa que muita gente subestimou a critica de muitos ao governo na época da copa, é que futebol não é nenhuma unanimidade no Brasil, isso é uma invenção de mídia em dizer aaaaa todo brasileiro ama futebol mentira, e não falo apenas por mim, muitos brasileiros não são fãs de futebol, isso vc encontra facilmente em clubes de basket,futebol americano, rugby e outros esportes que tem seu público também no Brasil (basta se ver audiência desses esportes na ESPN, conferir conversas que o pessoal tem como se vê na internet, não vê quase ninguém morrendo de amores pelo futebol) muita gente achou que a copa ia ser o sucesso absoluto, não é bem assim, isso sem contar entre mulheres que a maioria está nem ai para futebol. O fato de todo mundo ter um time de futebol que se tornou algo cultural, não quer dizer que ama futebol. Outra questão os gastos com a copa do mundo, deixou muita gente irada, basta se vê os inúmeros comentários pela internet, dizem por si só, quem quiser conhecer opinião popular basta vê internet, na mídia escolhe quem é entrevistado, escolhe o assunto é fácil moldar a verdade, na internet ás pessoas conversam sobre o que querem, e na internet que se vê o que ás pessoas pensam.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. na internet hoje é a mesma coisa

      Excluir